quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Lady Bird - Movie 36

Lady Bird conta a história de "Christine "Lady Bird" MacPherson, uma aluna do ensino secundário que mora no "wrong side of the tracks". Ela anseia por aventura, sofisticação e oportunidade, mas não encontra nada disso na escola secundária católica Sacramento. Lady Bird segue o último ano da personagem na escola, incluindo o seu primeiro amor, a sua participação no teatro escolar e, o mais importante, a sua candidatura à faculdade". Está nomeado para cinco categorias dos Oscars, incluindo a de Melhor Filme.

O filme não é nada de extraordinário, no sentido em que não tem grandes efeitos especiais nem é uma história original – o cinema está cheio de filmes que retratam o amadurecimento de uma personagem. No entanto, é um óptimo filme, porque conta a história de toda a gente – mostra aquilo que é viver. E fá-lo muito bem. É um filme sobre qualquer pessoa que, durante a adolescência, sentiu estar destinada a algo maior, não fosse o incompreensível azar de ter nascido numa cidade banal ou num meio com circunstâncias económicas pouco favoráveis.

Este filme conta a história de uma rapariga que, por birra adolescente ou por querer vincar a sua personalidade, se intitula de Lady Bird. Uma coisa boa neste filme é que a protagonista e as personagens à sua volta são reais. Amam, odeiam, gritam, sofrem, choram. Não há heróis nem vilões, apenas seres humanos.
O ponto central do filme, para além de todas as vivências de uma adolescente, é a relação que a protagonista tem com a mãe. Esta relação é uma relação complicada, já que enquanto Lady Bird é irreverente e rebelde, a mãe tornou-se numa pessoa "dura" por tudo o que já viveu e que não tem muita paciência para as fantasias da filha. A mãe ama a filha, como é óbvio, no entanto não o consegue demonstrar, por estar demasiado centrada nos problemas da família. Os sonhos da filha esbarram com o realismo da mãe, que gostaria que a filha desse mais valor ao que tem, ao sítio onde cresceu. É uma relação conflituosa, mas bastante real.

É um filme simples, mas não é destes filmes que nós precisamos? Não estamos já todos fartos de ver explosões, furacões, filmes com demasiados efeitos especiais? Ao final do dia, depois de toda a correria, sabe bem ver um filme assim: simples, calmo, belo. Há quem não goste do "cinema não-espectacular", aquele que nos impede de fugir da realidade porque retrata exactamente essa realidade. Se gostarem de filmes que retratam o quotidiano, o comum, o simples, aconselho!

Deixo-vos duas citações do filme:
"- I want you to be the very best version of yourself that you can be.
- What if this is the best version?"

"- I was telling you the truth, do you want me to lie?
- No, I mean, I just, I wish that you liked me.
- Of course I love you.
- But do you like me?"



*Post inserido no projecto Movie36*
A criadora do projecto é a Carolayne "Lyne" Ramos, do blogue "Imperium"
A parceira oficial é a Sofia Costa Lima, do blogue "A Sofia World"
Os restantes participantes:
Inês Vivas, "VIVUS"
Vanessa Moreira, "Make it Flower"
Joana Almeida, "Twice Joaninha"
Joana Sousa, "Jiji"
Alice Ramires, "Senta-te e Respira"
Cherry, "Life of Cherry"
Sónia Pinto, "By the Library"
Francisca Gonçalves, "Apenas Francisca"
Carina Tomaz, "Discolored Winter"
Sofia Ferreira, "Por onde anda a Sofia"
Rosana Vieira, "Automatic Destiny"
Inês Pinto, "Wallflower"
Abby, "Simplicity"

2 comentários:

  1. Já vi, é um bom filme, mas também não acho que seja nada de mais para ganhar o Oscar de melhor filme, e ainda bem que não ganhou porque a forma da água, para os cinco da lista, mereceu :)

    Xo, https://diamonds-inthe-sky.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não vi "The Shape of Water", mas já está na minha lista, sobretudo porque foi o grande vencedor dos Oscars!

      Beijinhos

      Eliminar

As séries que ando a ver #4

Agora que já estou mais ou menos habituada ao mundo do trabalho e já tenho as minhas rotinas, já me consigo organizar melhor e fazer com qu...