quinta-feira, 31 de maio de 2018

Movie 36 - Maio

Ao contrário dos meses anteriores em que fiz uma publicação por filme, este mês optei por agregar todos numa – não só porque vi muitos, devo ter batido o meu recorde, como também dediquei pouco tempo ao blogue este mês por causa da universidade. Assim, em Maio, vi, sobretudo, comédias que estavam a passar na televisão e vi quase tudo no início do mês, já que agora estou aqui aflita com as frequências e os trabalhos.

Role Models: "Danny (Paul Rudd) e Wheeler (Seann William Scott), dois vendedores na casa dos trinta, destroem uma carrinha da empresa num acesso de loucura durante uma "bebedeira" de bebidas energéticas. Quando são detidos, o juiz dá-lhes a oportunidade de escolher entre uma pena de prisão ou cumprir 150 horas de serviço comunitário num programa de mentores. Aceitam a segunda hipótese e Danny fica encarregue de Augie, um geek apaixonado por torneiros medievais, enquanto Wheeler tem a seu cargo Ronnie, um miúdo hiper-malcriado..."
Sendo eu uma pessoa um bocado esquisita com as comédias, já que para mim este tipo de filmes tem MESMO de ter piada, posso-vos dizer que este foi dos melhores filmes de comédia que já vi! Possivelmente, este não era o típico filme que eu escolheria para ver, mas apanhei-o na televisão, fiquei a ver e valeu bem a pena!


The hitman’s bodyguard: "O maior assassino profissional do mundo decidiu sair da sombra e testemunhar contra o seu antigo patrão no Tribunal Internacional de Justiça em Haia. No entanto, este não foi um patrão qualquer, mas sim um corrupto e mortífero ex-Presidente de um país de Leste, que tem ao seu dispor um enorme exército de mercenários capazes de tudo para impedir que a testemunha apareça no julgamento. Para se defender, este ex-assassino contrata o mais famoso guarda-costas do mundo, e juntos terão de pôr de lado as suas diferenças e cooperar para conseguirem chegar a tempo ao julgamento."
Eu tinha tantas expectativas para este filme, especialmente porque os actores são o Ryan Reynolds e o Samuel L. Jackson e eu adoro os dois. Para além disso, fiquei surpreendida porque não sabia que o Gary Oldman e o (nosso) Joaquim de Almeida participam no filme – duas agradáveis surpresas. No entanto, não sei se foi por ter as expectativas em altas, mas não gostei assim muito. Não sei, acho que estava à espera de mais.


22 Jump Street: "Após conseguirem terminar a escola secundária (por duas vezes...), grandes mudanças estão a caminho nas vidas dos policias Schmidt e Jenko, quando estes iniciam uma missão - altamente à paisana! - numa Universidade local. Mas quando Jenko conhece a alma gémea na equipa de futebol, e Schmidt se infiltra no grupo de arte boémia, esta parceria parece estar em risco… Agora já não é apenas uma questão de desvendar o caso – eles terão igualmente de descobrir se conseguem ter uma relação como dois adultos.  E caso estes dois adolescentes excessivamente grandes se consigam transformar de caloiros em homens a Universidade pode mesmo ser a melhor coisa que já lhes aconteceu!"
Eu gostei bastante do primeiro filme, por isso, estava bastante curiosa para ver o segundo. Não desiludiu, também não é dos melhores filmes de comédia, mas vê-se bem.


Me and Earl and the Dying Girl: "A história engraçada e comovente de Greg, um finalista do secundário que está a tentar misturar-se anonimamente, evitando relações mais profundas como uma estratégia de sobrevivência num campo de minas social – a vida de um adolescente. Ele mesmo descreve o seu leal companheiro Earl, com quem faz as curtas-metragens com paródias a filmes clássicos, como mais um "colega de trabalho" do que um melhor amigo. Mas quando a mãe de Greg insiste com ele para passar algum tempo com Rachel – uma miúda da sua turma que acaba de ser diagnosticada com cancro – ele lentamente descobre como os verdadeiros laços de amizade podem ser gratificantes."
Adormeci na primeira vez que vi o filme, na segunda consegui ver até ao fim, mas nada entusiasmada. Quando o filme estreou, ouvi muito burburinho à volta dele, que era muito bom, mas, sinceramente, não me disse grande coisa. Era outro que, se calhar, eu estava à espera de mais.



The Help: "Três mulheres extraordinárias e muito diferentes no Mississippi, durante os anos 60, construíram uma improvável amizade em torno de um projecto secreto que quebra todas as regras sociais e as coloca a todas em risco. Desta inesperada aliança, emerge uma admirável irmandade, incutindo-lhes uma coragem para transcenderem os próprios limites, e a consciencialização de que às vezes esses limites existem para serem ultrapassados – mesmo que isso signifique que todos na cidade tenham de confrontar-se com os tempos de mudança."
Vi este filme agora no final do mês, numa pausa entre frequências, e um filme que tenha a Viola Davis (mulher extraordinária, se não acreditam em mim, vejam How To Get Away With Murder) vale sempre a pena. Numa altura em que toda a gente se irrita por tudo e por nada, por coisas mínimas, convém relembrar que há pessoas, sim, que passaram por privações que nós, no nosso sofá em 2018, nem podemos imaginar. Infelizmente, essas privações ainda não estão erradicadas da sociedade, ainda há mulheres, negros, mulheres negras a sofrer de racismo, xenofobia e todo o tipo de preconceito, por isso, acho importante relembrarmos o testemunho de pessoas que conseguiram lutar por mudar a ordem estabelecida. Sem dúvida que recomendo muito! 


Para além disso, revi o Iron Man 1 (para aí pela quinquagésima vez) e o Deadpool - que eu adoooooro!

*Post inserido no projecto Movie36*
A criadora do projecto é a Carolayne "Lyne" Ramos, do blogue "Imperium"
A parceira oficial é a Sofia Costa Lima, do blogue "A Sofia World"
Os restantes participantes:
Inês Vivas, "VIVUS"
Vanessa Moreira, "Make it Flower"
Joana Almeida, "Twice Joaninha"
Joana Sousa, "Jiji"
Alice Ramires, "Senta-te e Respira"
Cherry, "Life of Cherry"
Sónia Pinto, "By the Library"
Francisca Gonçalves, "Apenas Francisca"
Carina Tomaz, "Discolored Winter"
Sofia Ferreira, "Por onde anda a Sofia"
Rosana Vieira, "Automatic Destiny"
Inês Pinto, "Wallflower"
Abby, "Simplicity"

Sem comentários:

Enviar um comentário

Leituras Desassossegadas #16

A Cidade e as Serras, Eça de Queirós « A Cidade as Serras , romance publicado um ano após a morte do autor, teve como ponto de partida o...