domingo, 10 de junho de 2018

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas

«As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram.» 
(Os Lusíadas, Canto I)

«Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse.
Sagrou-te, e foste desvendando a espuma,

E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira, de repente,
Surgir, redonda, do azul profundo.

Quem te sagrou criou-te português.
Do mar e nós em ti nos deu sinal.
Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!» 
(A Mensagem, O Infante) 

Dois dos poemas mais conhecidos pelos portugueses e que mais enaltecem e descrevem o que é isto de alma portuguesa. Feliz 10 de Junho a todos!


Sem comentários:

Enviar um comentário

Leituras Desassossegadas #20

Crónica de uma Morte Anunciada – Gabriel García Márquez «Vítima da denúncia falaciosa de uma mulher repudiada na noite de núpcias, o jo...