terça-feira, 7 de novembro de 2017

Leituras desassossegadas #2

Caim – José Saramago

"A história dos homens é a história dos seus desentendimentos com deus, nem ele nos entende a nós, nem nós o entendemos a ele."

O livro contem reflexões sobre a relação entre Deus e a humanidade e é-nos apresentada uma imagem completamente diferente de Deus daquela que estamos habituados a ouvir falar. Neste livro, Saramago parte do pressuposto bíblico de que Caim matou o seu irmão, Abel, mas depois dá-lhe todo um novo rumo. Caim deambula, durante o decorrer do livro, entre passado, presente, futuro, testemunhando vários acontecimentos e perguntando sempre qual é o papel de Deus em relação à humanidade.

Sendo um livro de Saramago, a ironia e o sarcasmo estão sempre presentes, no entanto, este não é um "calhamaço". Se nunca leram nada de Saramago, podem começar por este, que é de leitura fácil, nada complexo e até bastante despretensioso. Na minha opinião, todo e qualquer livro do Saramago vale sempre a pena ler e tenho pena que muita gente o ache "difícil de ler", não tendo sequer dado uma hipótese a um dos melhores autores (senão o melhor) da língua portuguesa.


To Kill a Mockingbird – Harper Lee

«Situado em Maycomb, uma pequena cidade imaginária do Alabama, durante a Grande Depressão, o romance de Harper Lee, vencedor do Prémio Pulitzer, em 1961, fala-nos do crescimento de uma rapariga numa sociedade racista.
Scout, a protagonista rebelde e irónica, é criada com o irmão, Jem, pelo seu pai viúvo, Atticus Finch. Ele é um advogado que lhes fala como se fossem capazes de entender as suas ideias, encorajando-os a reflectirem, em vez de se deixarem arrastar pela ignorância e o preconceito.
Atticus vive de acordo com as suas convicções. É então que uma acusação de violação de uma jovem branca é lançada contra Tom Robinson, um dos habitantes negros da cidade. Atticus concorda em defendê-lo, oferecendo uma interpretação plausível das provas e preparando-se para resistir à intimidação dos que desejam resolver o caso através do linchamento. Quando a histeria aumenta, Tom é condenado e Bob Ewell, o acusador, tenta punir o advogado de um modo brutal.
Entretanto, os seus dois filhos e um amigo encenam em miniatura o seu próprio drama de medos, centrado em Boo Radley, uma lenda local que vive em reclusão numa casa vizinha.»

Li este livro em inglês, enquanto estava em ERASMUS na Holanda e foi uma bela surpresa! Já tinha ouvido falar muito deste livro e finalmente tive hipótese de o ler. Não desiludiu em nada, tornando-se num dos meus livros preferidos.

Mataram a Cotovia é um livro cheio de surpresas e de emoções. Para além de Scout, uma rapariga extraordinária para a idade, o pai, Atticus é, para mim, a melhor personagem. Muitas vezes confrontado pela forma como educa os seus filhos, nada habitual para a época, Atticus mantém-se sempre fiel às suas ideias e incentiva os seus filhos a serem melhores pessoas.

Recomendo totalmente!

 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Leituras Desassossegadas #14

E Agora, Zé-Ninguém? – Hans Fallada «Alemanha, finais dos anos 20. Apesar da grave crise económica que afecta a vida de muita gente, Jo...