domingo, 26 de novembro de 2017

Narcos

Acabei hoje a terceira temporada de Narcos e, ao contrário das outras duas temporadas que "papei" em dois dias, com esta demorei mais tempo. Demorei mais tempo a começar, já que saiu em Setembro e eu só a vi agora, e demorei mais tempo a ver - precisei de duas semanas. Isto deveu-se muito ao facto de o Pablo Escobar já não estar na série e já não haver mais Wagner Moura (adoro-o!!). Mas, lá me decidi a começar a temporada e foi a melhor coisinha que fiz.

Claro que nos primeiros episódios senti a falta do Escobar, mas isso passou rápido, muito por causa dos "godfathers de Cali" - os irmãos Rodriguéz, o Pacho (um personagem incrível) e El Chepe - interpretado pelo "nosso" Pêpê Rapazote. Os "chefes" do cartel de Cali foram personagens brilhantes, muito bem representadas e que cumpriram perfeitamente o seu papel.


Pacho e El Chepe em cena

Para além disso, o Agente Peña não desilude e está sempre lá presente para nós e para aquecer os nossos corações. Só depois de chegar ao final da temporada é que percebi que o Peña é mesmo um sonhador - mesmo até ao fim ele ainda acredita que é possível acabar com os "senhores da droga" e com a corrupção, tanto na polícia como no governo. Isto fez-me admirar ainda mais a personagem. Ser interpretado pelo Pedro Pascal (o Oberyn de Game of Thrones) também ajuda. 



Se são das poucas pessoas que ainda não viram Narcos, corram que não sabem o que estão a perder. É uma produção Netflix, por isso já sabem que tem selo de qualidade, é baseado em factos reais, e mostram, muitas vezes, durante o episódio, imagens reais dos acontecimentos representados na série (o que é incrível). 

P.S. para os fãs de Sense8, o nosso maravilhoso Lito aparece nesta temporada. E é uma bela surpresa!
Quando Sense8 se junta a Game of Thrones em Narcos!! Lindo!

2 comentários:

  1. Está na lista mas até tenho medo de começar a ver. Uma pessoa depois vicia-se e está tudo lixado! :)

    ResponderEliminar

Londres #1

Novembro foi mês de ir passear a terras de Sua Majestade. Moderna e histórica, marcada pela inovação e elegância, de cultura singular, Lond...