domingo, 11 de fevereiro de 2018

Budapeste #2

O blog esteve uns dias em stand-by graças ao facto de eu ter estado uns dias doente, ou como eu gosto de dizer, de ter estado moribunda. Felizmente, estou recuperada e espero que esta coisa que me apanhou voe para outros lados... para Marte, talvez. Mas bem, estou de volta e estão de volta os posts sobre Budapeste, esta cidade incrível.

O Parlamento húngaro, ai, o Parlamento húngaro. É o terceiro maior no mundo (só fica atrás do Parlamento da Roménia e da Argentina) e é inspirado no Parlamento inglês. E é lindo, lindo, lindo e enoooorme. É gigantesco!






Uma das coisas que eu mais gosto de fazer é sentar-me num banco e apreciar as pessoas e a cidade, e tentei fazer isso em todas as cidades que fui. Em Budapeste, sentei-me à frente (ou será atrás?) do Parlamento húngaro com o Danúbio à minha frente e Buda do outro lado do rio. Passado uns minutos, um segurança do Parlamento sentou-se à nossa beira e começou a falar connosco, bastante simpático que nos contou alguns segredos dos húngaros e de Budapeste. Foi bastante bom e relaxante estar ali, sentada, a apreciar o Danúbio e a cidade na companhia de um local. Se tiverem oportunidade de o fazer, façam-no!


Ao caminharmos pela "marginal", com o Parlamento de um lado e o Danúbio do outro, encontramos uma coisa que me marcou muito: Shoes on the Danube. No final de 1944, estima-se que mais de 200 mil judeus foram fuzilados e os seus corpos atirados ao Danúbio. E como, nesta época, os sapatos eram artigos valiosos, as pessoas eram obrigadas a retirá-los antes de serem exterminadas. 
Em 2005, os artistas Gyula Pauer e Can Togay criaram, junto ao rio, uma instalação com 60 pares de sapatos de ferro, numa homenagem simbólica às vítimas. Como disse, Budapeste é uma cidade linda, com monumentos maravilhosos, mas isto foi o que mais me marcou. Não consegui dizer nada na altura, fiquei o caminho todo em silêncio, pois foi realmente marcante, para mim, ver aqueles sapatos, inclusive sapatos de crianças.



Outro ex-líbris é a Chain Bridge, a ponte mais famosa de Budapeste, que liga Buda a Peste. É linda de dia, mas de noite, ah, de noite, é um encanto. Simplesmente maravilhosa.




2 comentários:

  1. Obrigado pela partilha! Adoro ficar a conhecer pedacinhos de locais onde nunca estive... *.*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também gosto de ver noutros blogs, e achei que era giro fazer aqui... podemos sonhar e viajar sem sair do lugar :)

      Beijinhos

      Eliminar

Leituras Desassossegadas #14

E Agora, Zé-Ninguém? – Hans Fallada «Alemanha, finais dos anos 20. Apesar da grave crise económica que afecta a vida de muita gente, Jo...