quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Lady Bird - Movie 36

Lady Bird conta a história de "Christine "Lady Bird" MacPherson, uma aluna do ensino secundário que mora no "wrong side of the tracks". Ela anseia por aventura, sofisticação e oportunidade, mas não encontra nada disso na escola secundária católica Sacramento. Lady Bird segue o último ano da personagem na escola, incluindo o seu primeiro amor, a sua participação no teatro escolar e, o mais importante, a sua candidatura à faculdade". Está nomeado para cinco categorias dos Oscars, incluindo a de Melhor Filme.

O filme não é nada de extraordinário, no sentido em que não tem grandes efeitos especiais nem é uma história original – o cinema está cheio de filmes que retratam o amadurecimento de uma personagem. No entanto, é um óptimo filme, porque conta a história de toda a gente – mostra aquilo que é viver. E fá-lo muito bem. É um filme sobre qualquer pessoa que, durante a adolescência, sentiu estar destinada a algo maior, não fosse o incompreensível azar de ter nascido numa cidade banal ou num meio com circunstâncias económicas pouco favoráveis.

Este filme conta a história de uma rapariga que, por birra adolescente ou por querer vincar a sua personalidade, se intitula de Lady Bird. Uma coisa boa neste filme é que a protagonista e as personagens à sua volta são reais. Amam, odeiam, gritam, sofrem, choram. Não há heróis nem vilões, apenas seres humanos.
O ponto central do filme, para além de todas as vivências de uma adolescente, é a relação que a protagonista tem com a mãe. Esta relação é uma relação complicada, já que enquanto Lady Bird é irreverente e rebelde, a mãe tornou-se numa pessoa "dura" por tudo o que já viveu e que não tem muita paciência para as fantasias da filha. A mãe ama a filha, como é óbvio, no entanto não o consegue demonstrar, por estar demasiado centrada nos problemas da família. Os sonhos da filha esbarram com o realismo da mãe, que gostaria que a filha desse mais valor ao que tem, ao sítio onde cresceu. É uma relação conflituosa, mas bastante real.

É um filme simples, mas não é destes filmes que nós precisamos? Não estamos já todos fartos de ver explosões, furacões, filmes com demasiados efeitos especiais? Ao final do dia, depois de toda a correria, sabe bem ver um filme assim: simples, calmo, belo. Há quem não goste do "cinema não-espectacular", aquele que nos impede de fugir da realidade porque retrata exactamente essa realidade. Se gostarem de filmes que retratam o quotidiano, o comum, o simples, aconselho!

Deixo-vos duas citações do filme:
"- I want you to be the very best version of yourself that you can be.
- What if this is the best version?"

"- I was telling you the truth, do you want me to lie?
- No, I mean, I just, I wish that you liked me.
- Of course I love you.
- But do you like me?"



*Post inserido no projecto Movie36*
A criadora do projecto é a Carolayne "Lyne" Ramos, do blogue "Imperium"
A parceira oficial é a Sofia Costa Lima, do blogue "A Sofia World"
Os restantes participantes:
Inês Vivas, "VIVUS"
Vanessa Moreira, "Make it Flower"
Joana Almeida, "Twice Joaninha"
Joana Sousa, "Jiji"
Alice Ramires, "Senta-te e Respira"
Cherry, "Life of Cherry"
Sónia Pinto, "By the Library"
Francisca Gonçalves, "Apenas Francisca"
Carina Tomaz, "Discolored Winter"
Sofia Ferreira, "Por onde anda a Sofia"
Rosana Vieira, "Automatic Destiny"
Inês Pinto, "Wallflower"
Abby, "Simplicity"

2 comentários:

  1. Já vi, é um bom filme, mas também não acho que seja nada de mais para ganhar o Oscar de melhor filme, e ainda bem que não ganhou porque a forma da água, para os cinco da lista, mereceu :)

    Xo, https://diamonds-inthe-sky.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não vi "The Shape of Water", mas já está na minha lista, sobretudo porque foi o grande vencedor dos Oscars!

      Beijinhos

      Eliminar

TAG séries

Nos últimos tempos, não tenho visto quase série nenhuma. São raros os dias em que tenho tempo ou que não estou demasiado cansada para ver a...