segunda-feira, 30 de abril de 2018

Avengers: Infinity War - Movie36

Fui hoje ao cinema ver Avengers: Infinity War e, Meu Deus do Céu, QUE FILME!! 

Como fã assumidíssima da Marvel e de super-heróis, este era o filme que eu mais esperava para ver este ano. Antes demais, este não é só um filme, não é só mais um filme - foram dez anos até chegar aqui, desde a estreia do primeiro Iron Man. Todos os caminhos, todos os filmes, levavam a este momento. E o momento finalmente chegou. O momento em que quase todas as personagens do MCU [Marvel Cinematic Universe] se juntam para combater o vilão mais forte de que há memória.

Não sei bem explicar-vos como é que a minha paixão por super-heróis, e, consequentemente, pela Marvel, surgiu. Ninguém da minha família é considerado geek, por isso, nunca tive referências a este mundo. Mas, um dia, quando devia ter uns 12 anos, estava a passar o Spider-Man, o primeiro, aquele ainda com o Tobey Maguire, na televisão e eu fiquei imediatamente apaixonada. Depois veio o primeiro Iron Man, depois o segundo, o terceiro, comecei a ver as séries - que também são excelentes (Agent Carter vai estar sempre no meu coração) - e quando dei por mim já sabia muita coisa sobre o Mundo Marvel. E já estava tão dentro deste mundo, e tão apaixonada por ele, que já não dava para voltar para trás.

Já aqui vos falei de algumas séries de super-heróis - Iron Fist e The Defenders -, mas, hoje, e como reflexão do mês de Abril para o Movie36, quero falar (ou escrever) sobre o mundo dos super-heróis cinematográficos e aquilo que eles representam.

Para mim, um super-herói é mais do que apenas a força física, aquele que é capaz de derrotar tudo e todos através do físico. Para mim, um super-herói é alguém como o Iron Man, ou melhor, como o Tony Stark. Muitas vezes, ou quase sempre, apelidado de egocêntrico, narcisista, convencido, na minha opinião, foi a personagem do MCU que mais evoluiu. É verdade, o Tony é convencido e acha-se um génio (e não o é?), mas nunca escondeu de ninguém os seus defeitos, Afinal, ele é, apenas e só, um ser-humano. Tem as suas falhas, tem muitas falhas, mas, como ninguém, assume que as tem e luta para defender a humanidade e tentar preservar o que ainda há de humano em nós. Por ser tão narcisista, ele faz o que quer, quando quer e não funciona sob regras ou ordens. No entanto, dá bastante valor à liberdade individual, à sua e à dos outros, e age sempre em conformidade com o bem maior. Como disse, para mim, é a personagem que mais evolui, e se forem ver agora o segundo Iron Man, Tony Stark é uma pessoa completamente diferente - para melhor, claro. Bem, já viram que eu podia escrever uma dissertação sobre ele. Adiante.

Os super-heróis cinematográficos são pessoas que lutam não só pela preservação da humanidade e da Terra tal como a conhecemos, mas também pelos seus princípios e crenças de que devemos combater o mal, não deixando que ele se entranhe na nossa pele, de tal maneira que ficaríamos já habituados a essa estranha forma de vida. Se pensarem nisso, o Iron Man, Capitão América, Spider-Man, a Viúva Negra, o Doctor Strange, e todos os outros, lutam para que o mal não triunfe, seja esse mal os nazis, e a Hydra, ou o super-vilão mais poderoso da história, Thanos. 

Este mundo de super-heróis já não é só para crianças - aliás, acho que, nos dias que correm, até interessam mais a adultos do que às crianças. Os super-heróis vão passando de geração em geração, transmitindo valores de natureza moralista, como o auto-sacrifício, a inter-ajuda, a importância de nos dedicarmos a algo nobre e importante e que os valores morais são benéficos. A maioria dos super-heróis tem uma origem humana e humilde, o que nos permite sonhar com a possibilidade de nos tornarmos alguém extraordinário. Para além disso, não são seres perfeitos, todos tem as suas falhas, e mostram que não há nada de errado em falhar e em cometer erros - o Tony é perito em cometer erros e, nem por isso, é menos super-herói que os outros. 

Para concluir, mesmo que não sejam fãs de super-heróis, aconselho-vos imenso a ver este filme! É uma obra-de-arte que, sem dúvida, vale a pena ver. E que venha 2019 e a segunda parte de Avengers: Infinity War


*Publicação inserida no projecto Movie36*
A criadora do projecto é a Carolayne "Lyne" Ramos, do blogue "Imperium"
A parceira oficial é a Sofia Costa Lima, do blogue "A Sofia World"
Os restantes participantes:
Inês Vivas, "VIVUS"
Vanessa Moreira, "Make it Flower"
Joana Almeida, "Twice Joaninha"
Joana Sousa, "Jiji"
Alice Ramires, "Senta-te e Respira"
Cherry, "Life of Cherry"
Sónia Pinto, "By the Library"
Francisca Gonçalves, "Apenas Francisca"
Carina Tomaz, "Discolored Winter"
Sofia Ferreira, "Por onde anda a Sofia"
Rosana Vieira, "Automatic Destiny"
Inês Pinto, "Wallflower"
Abby, "Simplicity"

Sem comentários:

Enviar um comentário

Pensamentos Aleatórios #7

Faz sentido dizer a quem faz anos, por exemplo, em Outubro, "parabéns pelas tuas 20 primaveras"? Não se devia adequar a frase con...