segunda-feira, 30 de abril de 2018

Avengers: Infinity War - Movie36

Fui hoje ao cinema ver Avengers: Infinity War e, Meu Deus do Céu, QUE FILME!! 

Como fã assumidíssima da Marvel e de super-heróis, este era o filme que eu mais esperava para ver este ano. Antes demais, este não é só um filme, não é só mais um filme - foram dez anos até chegar aqui, desde a estreia do primeiro Iron Man. Todos os caminhos, todos os filmes, levavam a este momento. E o momento finalmente chegou. O momento em que quase todas as personagens do MCU [Marvel Cinematic Universe] se juntam para combater o vilão mais forte de que há memória.

Não sei bem explicar-vos como é que a minha paixão por super-heróis, e, consequentemente, pela Marvel, surgiu. Ninguém da minha família é considerado geek, por isso, nunca tive referências a este mundo. Mas, um dia, quando devia ter uns 12 anos, estava a passar o Spider-Man, o primeiro, aquele ainda com o Tobey Maguire, na televisão e eu fiquei imediatamente apaixonada. Depois veio o primeiro Iron Man, depois o segundo, o terceiro, comecei a ver as séries - que também são excelentes (Agent Carter vai estar sempre no meu coração) - e quando dei por mim já sabia muita coisa sobre o Mundo Marvel. E já estava tão dentro deste mundo, e tão apaixonada por ele, que já não dava para voltar para trás.

Já aqui vos falei de algumas séries de super-heróis - Iron Fist e The Defenders -, mas, hoje, e como reflexão do mês de Abril para o Movie36, quero falar (ou escrever) sobre o mundo dos super-heróis cinematográficos e aquilo que eles representam.

Para mim, um super-herói é mais do que apenas a força física, aquele que é capaz de derrotar tudo e todos através do físico. Para mim, um super-herói é alguém como o Iron Man, ou melhor, como o Tony Stark. Muitas vezes, ou quase sempre, apelidado de egocêntrico, narcisista, convencido, na minha opinião, foi a personagem do MCU que mais evoluiu. É verdade, o Tony é convencido e acha-se um génio (e não o é?), mas nunca escondeu de ninguém os seus defeitos, Afinal, ele é, apenas e só, um ser-humano. Tem as suas falhas, tem muitas falhas, mas, como ninguém, assume que as tem e luta para defender a humanidade e tentar preservar o que ainda há de humano em nós. Por ser tão narcisista, ele faz o que quer, quando quer e não funciona sob regras ou ordens. No entanto, dá bastante valor à liberdade individual, à sua e à dos outros, e age sempre em conformidade com o bem maior. Como disse, para mim, é a personagem que mais evolui, e se forem ver agora o segundo Iron Man, Tony Stark é uma pessoa completamente diferente - para melhor, claro. Bem, já viram que eu podia escrever uma dissertação sobre ele. Adiante.

Os super-heróis cinematográficos são pessoas que lutam não só pela preservação da humanidade e da Terra tal como a conhecemos, mas também pelos seus princípios e crenças de que devemos combater o mal, não deixando que ele se entranhe na nossa pele, de tal maneira que ficaríamos já habituados a essa estranha forma de vida. Se pensarem nisso, o Iron Man, Capitão América, Spider-Man, a Viúva Negra, o Doctor Strange, e todos os outros, lutam para que o mal não triunfe, seja esse mal os nazis, e a Hydra, ou o super-vilão mais poderoso da história, Thanos. 

Este mundo de super-heróis já não é só para crianças - aliás, acho que, nos dias que correm, até interessam mais a adultos do que às crianças. Os super-heróis vão passando de geração em geração, transmitindo valores de natureza moralista, como o auto-sacrifício, a inter-ajuda, a importância de nos dedicarmos a algo nobre e importante e que os valores morais são benéficos. A maioria dos super-heróis tem uma origem humana e humilde, o que nos permite sonhar com a possibilidade de nos tornarmos alguém extraordinário. Para além disso, não são seres perfeitos, todos tem as suas falhas, e mostram que não há nada de errado em falhar e em cometer erros - o Tony é perito em cometer erros e, nem por isso, é menos super-herói que os outros. 

Para concluir, mesmo que não sejam fãs de super-heróis, aconselho-vos imenso a ver este filme! É uma obra-de-arte que, sem dúvida, vale a pena ver. E que venha 2019 e a segunda parte de Avengers: Infinity War


*Post inserido no projecto Movie36*
A criadora do projecto é a Carolayne "Lyne" Ramos, do blogue "Imperium"
A parceira oficial é a Sofia Costa Lima, do blogue "A Sofia World"
Os restantes participantes:
Inês Vivas, "VIVUS"
Vanessa Moreira, "Make it Flower"
Joana Almeida, "Twice Joaninha"
Joana Sousa, "Jiji"
Alice Ramires, "Senta-te e Respira"
Cherry, "Life of Cherry"
Sónia Pinto, "By the Library"
Francisca Gonçalves, "Apenas Francisca"
Carina Tomaz, "Discolored Winter"
Sofia Ferreira, "Por onde anda a Sofia"
Rosana Vieira, "Automatic Destiny"
Inês Pinto, "Wallflower"
Abby, "Simplicity"

Sem comentários:

Enviar um comentário

TAG séries

Nos últimos tempos, não tenho visto quase série nenhuma. São raros os dias em que tenho tempo ou que não estou demasiado cansada para ver a...