sexta-feira, 20 de abril de 2018

Darkest Hour - Movie36

Ainda na saga de ver os filmes nomeados para os Oscars deste ano, vi, no passado fim-de-semana, o Darkest Hour. "Com a Grã-Bretanha à beira de perder a guerra para a Alemanha, Winston Churchill sofre pressão para fazer um acordo com Hitler para estabelecer o estado como parte do território do Terceiro Reich, mas resiste à pressão." Estava nomeado para 6 categorias, incluindo a de Melhor Filme, mas apenas venceu a categoria de Melhor Actor – muito merecido, já que o Gary Oldman estava absolutamente extraordinário.

Conforme vos disse quando falei de Dunkirk, gosto muito de ver filmes sobre a Segunda Guerra Mundial, e este período foi rico em pessoas com uma personalidade forte, que decidiram o destino do mundo. Winston Churchill é capaz de ser a figura política que eu mais admiro, pela sua personalidade, perseverança e uma certa rebeldia na luta contra os nazis. Grande parte do poder de Churchill estava não só na sua figura um pouco assustadora [o próprio Rei George VI, no filme, admite que Churchill o assustava], mas, principalmente, na palavra e na sua oratória. Churchill, antes de ser Primeiro-Ministro, foi correspondente de guerra e escreveu alguns livros sobre as suas experiências, e sempre se deu bem com as palavras. Alia-se o dom da escrita ao dom da oratória e temos "o maior britânico de todos os tempos", segundo a BBC.

No livro que estou a ler agora [As grandes personagens da História], Churchill é mencionado desta forma: "Na memória colectiva europeia, a imagem de Churchill está associada à Segunda Guerra Mundial. Com mais precisão, ao período de um ano que decorreu de Julho de 1940 a Julho de 1941, quando se encontrava à frente do Governo do único país da Europa que se mantinha de pé depois de ter declarado guerra ao Terceiro Reich. Foram estes meses de resistência heróica perante a potência militar que arrasava o continente que elevaram Churchill da categoria de político à de símbolo colectivo da luta contra o fascismo, a violência e a insanidade."

É um filme biográfico, mas não no sentido tradicional, já que não mostra toda a vida de Churchill, mas sim um momento específico que marcou a sua vida, o Reino Unido, a Europa e a Segunda Guerra Mundial. Não é o típico filme de História aborrecido, muito pelo contrário, é bastante dinâmico e interessante. Claramente que não é 100% exacto do ponto de vista histórico, senão seria um documentário, e não um filme. No entanto, vale muito a pena verem, seja para conhecerem melhor a figura de Churchill e aquele período da sua vida, seja para relembrarem uma velha figura que marcou muito a história da Europa.

A cena do metro é absolutamente extraordinária, e acho que muitos políticos dos dias de hoje deviam ver este filme, não só para aprenderem um bocadinho mais com Churchill, mas também para perceberem que, às vezes, é importante parar e escutar o que é o que povo tem para dizer e, sem dúvida, não ter medo de estar no meio das suas gentes.

Churchill sendo um orador tão talentoso, o que não falta no filme são citações que todos devíamos guardar. Para além do famoso discurso que já reproduzi aqui quando falei de Dunkirk, deixo-vos duas das minhas citações preferidas:

«Will you stop interrupting me while I am interrupting you!»

«Those who never change their mind never change anything.»


*Post inserido no projecto Movie36*
A criadora do projecto é a Carolayne "Lyne" Ramos, do blogue "Imperium"
A parceira oficial é a Sofia Costa Lima, do blogue "A Sofia World"
Os restantes participantes:
Inês Vivas, "VIVUS"
Vanessa Moreira, "Make it Flower"
Joana Almeida, "Twice Joaninha"
Joana Sousa, "Jiji"
Alice Ramires, "Senta-te e Respira"
Cherry, "Life of Cherry"
Sónia Pinto, "By the Library"
Francisca Gonçalves, "Apenas Francisca"
Carina Tomaz, "Discolored Winter"
Sofia Ferreira, "Por onde anda a Sofia"
Rosana Vieira, "Automatic Destiny"
Inês Pinto, "Wallflower"
Abby, "Simplicity

Sem comentários:

Enviar um comentário

TAG séries

Nos últimos tempos, não tenho visto quase série nenhuma. São raros os dias em que tenho tempo ou que não estou demasiado cansada para ver a...