terça-feira, 22 de maio de 2018

Nunca apresentei um namorado à minha família

"Então e os namorados?" Ahhh, aquela pergunta típica dos tios que só vemos umas duas vezes no ano (normalmente, no Natal e na Páscoa) e que têm ZERO interesse na nossa vida. Só são curiosos. Cuscos, vá. 20 anos e nunca apresentaste namorado à família? Ai filha, deves ter qualquer coisa de errado…

Tenho 20 anos e nunca apresentei um namorado à minha família. Tanto eu como o meu irmão sempre dissemos que nunca iríamos casar, pelos mais variados motivos. Ele não cumpriu a sua palavra (o traidor), eu tenciono cumprir. Acho que os meus pais já perderam a esperança em vir a conhecer um namorado meu e, coitados, não os posso culpar. A minha mãe já sabe que, daqui, é muito difícil ter netos. A pressão está toda do lado do meu irmão.

Sei que sou diferente. O meu sonho nunca foi casar ou ter filhos. Nem sequer quero isso para a minha vida. No entanto, em 2018, isto ainda não é aceitável. Quando digo a alguém que não quero ter filhos nem tenho interesse algum em casar vejo sempre o olhar reprovador da pessoa. Se eu me importo com isso? Claro que não. Mas questiono-me se, no século XXI, isto já não deveria ter deixado de ser um problema. Ninguém tem nada a ver com as nossas escolhas de vida.

Desde pequenas que a sociedade traça um plano para as nossas vidas, muito graças aos filmes da Disney. Devemos comportar-nos como umas princesas, sempre muito graciosas e serenas, e esperar por um lindo príncipe encantado que irá chegar no seu cavalo branco. E depois ter filhos e "viver felizes para sempre". Claro que eu, em pequena, gostava (adorava) os filmes da Disney e ainda gosto. Mas há muito, muito tempo que não acredito em príncipes encantados ou no felizes para sempre.

Às vezes pergunto-me se a Disney e os filmes românticos não criam demasiadas expectativas na vida. Aquilo não é nada assim, mas nós só percebemos isso quando somos mais "crescidas". Amor à primeira vista? Relações sem problemas? Pessoas perfeitas? Nada disto existe. E acho que nós, raparigas, é que sofremos mais com isso. Criamos demasiado expectativas em nós, nos rapazes, no nosso futuro. Casar com um vestido branco gigante em que a noiva mal se consegue mexer? Não, obrigada. Não há nada errado em ser solteira, em não querer constituir família, em não querer ter uma casa. O meu sonho é viajar pelo mundo. Algum dia poderia conciliar isso com uma família? Não. É suposto deixar o meu sonho só porque a sociedade acha que eu devo ser mãe e ter uma família e uma casa aparentemente perfeitas? Também não.

Se a minha opinião vai ser diferente quando tiver 30 anos? Pode ser… mas a minha vidinha teria que dar muitas voltas.

Como é óbvio, não tenho nada contra com as pessoas que dizem que o seu sonho é casar ou ser mãe. Simplesmente isso não é para mim. Mas, também, verdade seja dita, quem é que não queria um Troy Bolton na sua vida? (Sim, a minha crush de adolescência foi o Zac Efron. E se calhar ainda é, apesar de eu já não ser adolescente. Se calhar.)

Sem comentários:

Enviar um comentário

As séries que ando a ver #4

Agora que já estou mais ou menos habituada ao mundo do trabalho e já tenho as minhas rotinas, já me consigo organizar melhor e fazer com qu...